Notícias

Por meio da resolução nº 736, o Contran (Conselho Nacional de Trânsito), publicada no dia 6 de julho, finalmente liberou o pagamento de multas e débitos relativos ao veículo por meio de cartões de débito ou crédito e, no caso do último, com valores parcelados. A medida passou a valer na data da publicação da resolução.

A promessa de facilitar o pagamento das dívidas do veículo é antiga: em 18 de outubro de 2017, o Contran liberou essa modalidade por cartão via resolução nº 697. No entanto, em maior de 2018, o órgão suspendeu tal resolução sem dar explicações.

Os únicos débitos relativos ao veículo que não podem ser pagos via cartão ou com valor parcelado são multas inscritas na dívida ativa, parcelamentos inscritos em cobrança administrativa, veículos licenciados em outras Unidades da Federação e multas aplicadas por outros órgãos autuadores que não autorizam o parcelamento ou arrecadação por meio de cartões de crédito ou débito.

Fonte: https://www.icarros.com.br/noticias/manutencao-e-servicos/multasdetrans-aceitarao-pagamento-de-valores-parcelados/24930.html 

Depois de dominar o mercado de aplicativos de GPS para celular, o Waze dá mais um passo na mobilização urbana no Brasil. O novo Waze Carpool traz a possiblidade de transportar outros passageiros com rotina de deslocamento semelhante à sua por valores que variam entre R$ 4 e R$ 25. A ideia não é bater de frente com Uber, 99 e Cabify, sendo um serviço totalmente diferente.

O Waze Carpool funciona através do cadastro da rotina diária de deslocamento do motorista: registrando local de trabalho, residência, faculdade e em que horário esses trajetos são feitos (tudo guardado pelo Waze de maneira confidencial). O aplicativo faz a junção entre pessoas que desejam fazer esse mesmo percurso e o motorista que está oferecendo carona.

No primeiro mês de funcionamento, o Waze cobrará apenas R$ 2 de cada passageiro e, a ao final da promoção, os valores poderão variar entre R$ 4 e R$ 25. Como a ideia não é concorrer com Uber e aplicativos semelhantes, cada usuário estará limitado a apenas duas caronas por dia.

O objetivo do aplicativo é diminuir o transito nas cidades e otimizar a quantidade de passageiros por veículo. Atualmente, o Brasil é o país com maior número de pessoas andando sozinhas em seus carros. O aplicativo Waze Carpool já está disponível para Android e iOS.

Saiba sobre aas doenças e deficiências que dão direito à isenção de impostos na hora de comprar um carro 0km. Infelizmente, não existe uma lista pronta com todas as patologias. É preciso avaliar caso a caso. Quem vai determinar se o paciente tem direito ou não à isenção para PCD será o médico credenciado, que deverá emitir um atestado avaliando não só a doença que o paciente tem (ou teve), mas também suas sequelas.
E lembre-se de que cada isenção deve ser solicitada ao órgão específico que regulamenta cada tributo. Vamos explicar melhor a seguir. Apesar da longa burocracia, vale a pena se informar sobre o processo, já que o desconto pode chegar a 30% do valor total do carro, conforme afirma a Gerente de Vendas Diretas do Grupo Carrera, Sueli Sanches.


IPI e IOF: Receita Federal

A isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos e Valores Mobiliários) deve ser pedida junto à Receita Federal. As regras constam no site da Receita. Entre elas estão: o veículo deve ser da fabricação nacional, deve ter até 127 cv de potência para isenção do IOF e o desconto não se aplica a acessórios ou dispositivos que não façam parte do modelo padrão de fábrica.

O abatimento do IPI pode ser solicitado uma vez a cada dois anos contados da data de emissão da nota fiscal e, do IOF, somente uma única vez. O regimento não especifica nenhuma doença ou condição, dizendo apenas que tem direito ao benefício "pessoas com deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas".

ICMS e IPVA: Secretaria da Fazenda

Já o abatimento do ICMS (Imposto sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre prestações de Serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação) e do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) deve ser pedido junto à Secretaria da Fazenda de seu Estado.

No site da Secretaria da Fazenda de São Paulo, por exemplo, constam as regras estipuladas no Decreto nº 58.897/2013. Nesse caso, o veículo deve ter valor de nota fiscal não superior a R$ 70 mil.

Descrição das patologias

No decreto citado acima, considera-se pessoa com deficiência física "aquela que apresenta alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzem dificuldades para o desempenho de funções"

Para deficiência visual, considera-se "aquela que apresenta acuidade visual igual ou menor que 20/200 (tabela de Snellen) no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º, ou ocorrência simultânea de ambas as situações". Para deficiência mental, considera-se "aquela que apresenta o funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação anterior aos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas". Por fim, também tem direito à isenção quem apresenta autismo.

As descrições acima são bastante abrangentes e vale sempre ressaltar que para ter direito ao benefício é preciso ter um atestado médico assinado por um médico credenciado ao Departamento de Trânsito de seu Estado ou que integre o Sistema Único de Saúde (SUS).

E na hora de vender?

É importante destacar também que, pelas normas da Receita Federal, caso o deficiente venda o veículo adaptado em menos de dois anos (no caso do IPI) ou em menos de três anos (no caso de ICMS), ele terá que pagar todos os impostos descontados na compra do carro, além de juros e demais acréscimos legais calculados a partir da data de emissão da nota fiscal.

Principais doenças

Como não existe uma lista definitiva, relacionamos a seguir as principais condições que dão direito à isenção de impostos na compra de um veículo 0km. Lembre-se de que serão avaliadas as sequelas, de modo que apenas casos com certa gravidade têm direito à isenção.

A lista abaixo foi divulgada pela Folha de S.Paulo com informações da Abridef (Associação Brasileira das Indústrias e Revendedores de Produtos e Serviços para Pessoas com Deficiência).

Ausência ou má formação de membro: nanismo, mastectomia, quadrantectomia, amputação e encurtamento de membros.

Problemas de coluna (graves ou crônicos): escoliose acentuada, espondilite anquilosante e hérnia de disco.

Doença que afete braços e ombros: túnel do carpo, bursites, tendinite e manguito do rotador.

Doença neurológica ou degenerativa: mal de Parkinson, síndrome de Down, AVC, paralisia cerebral, AVE, esclerose múltipla, usuário de talidomida e ostomia.

Portadores de patologias: diabetes, hepatite C, HIV+, renais crônicos (com fístula), hemofílicos, alguns tipos de câncer, cardiopatia e linfomas.

Paralisias: triplegia, triparesia, monoplegia, monoparesia, paraplegia, tetraplegia, tetraparesia, hemiplegia.

Nervos e ossos: artrite, artrose, artrodese, lesões por esforços repetitivos (LER), próteses internas e externas (joelho, quadril, coluna etc.) e poliomielite.

Visual: acuidade visual menor que 20/200 (índice de Snellen) no melhor olho, campo visual menor que 20 graus ou ambos.

O sintoma clássico de um combustível adulterado é a percepção da falta de potência. Assim que você abastece, o pedal do acelerador fica “borrachudo”. Você sente que precisa acelerar mais para obter a mesma velocidade.

Veja outras pistas:
- geralmente, o consumo médio despenca 30%. É fácil de perceber para quem faz o mesmo percurso diariamente: o tanque dura menos (veja aqui como calcular o consumo médio);
- dificuldade para pegar pela manhã;
- pré-ignição (detonação): aquele ruído no motor semelhante ao de uma corrente de bicicleta trocando de marcha. Esse ruído ocorre nas saídas e, principalmente, em subidas, momentos em que o motor é mais exigido.

Como evitar?
Desconfie de odores estranhos saindo pelo escapamento, cheiros de solventes, querosene: são indícios de adulteração.

Se seu carro é flex, minha sugestão é abastecer alternadamente entre álcool e gasolina, 4 tanques de um combustível e um tanque do outro.

Você escolhe o combustível de sua preferência para rodar os 4 tanques. Explico: o etanol é capaz de limpar as impurezas da gasolina e a gasolina, por sua vez, também consegue limpar as impurezas do álcool. Abastecer apenas uma vez com combustível adulterado dificilmente prejudicará o motor do seu carro.

Só após o quarto tanque de um combustível ruim é que resíduos de carvão poderão começar a se depositar na cabeça dos pistões e válvulas. Daí vem a sugestão de alternar entre um e outro combustível a cada 4 abastecimentos.

Troque o óleo religiosamente no momento previsto pela etiqueta de troca. Se seu carro é movido apenas a gasolina, você precisa ficar mais atento, já eu não poderá recorrer ao álcool para fazer a limpeza do sistema.

Visite seu mecânico a cada 10.000 km: peça para remover as velas. Ele possui conhecimento necessário e poderá alertá-lo para evitar danos ainda maiores.

Futuro promissor
Descobrir as fraudes através dos danos causados ao motor do seu carro é fácil. Difícil é produzir as provas necessárias para penalizar os infratores.

A maioria dos produtos utilizados nas adulterações dos combustíveis são subprodutos do petróleo e a identificação destes contaminantes é feita através de equipamentos caros e especializados, como cromatógrafos e espectômetro.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis possui poucos equipamentos e poucos funcionários para fiscalizar os mais de 35 mil postos de combustíveis espalhados pelo Brasil. Apesar disso, ela vem trabalhando com empresas que produzem esses equipamentos. Esperamos que, em breve, venham novidades.

Imagine empurrar um carro com pneu murcho. É ruim demais, exige mais esforço. O mesmo acontece com o motor do carro. Ele é mais exigido quando os pneus não estão calibrados.

Por isso, não judie do seu motor. Quando o pneu está com 5 libras a menos do que o indicado pelo fabricante, por exemplo, o carro gasta 10% mais combustível.

Mas qual a pressão correta para os pneus do carro? A indicação correta costuma estar na parte interna da tampa de combustível ou no batente da porta do motorista.

Em alguns casos, as fabricantes recomendam diferentes pressões, de acordo com o uso do veículo. Se o carro roda sempre cheio, há uma medida. Caso contrário, há outra especificação.



Creditos: https://g1.globo.com/carros/blog/denis-marum/post/2018/05/28/como-economizar-combustivel-pneus-calibrados-fazem-carro-beber-10-menos.ghtml

Precisa pegar estrada? Saiba que também dá para poupar combustível nas rodovias. A porcentagem de economia varia de acordo com o motor.

Mas, há uma regra básica. Quanto mais baixa a rotação, mais econômico o carro se torna.

Considerando uma via plana, quando o carro está a 80 km/h, em quinta marcha, ele está gastando menos do que quando roda a 120 km/h, também em quinta marcha. Aqui vale uma dica: sempre que possível, tire o pé do acelerador.

Em estradas cheias de curvas e subidas, talvez seja melhor você administrar entre quarta e quinta marcha, para pode otimizar as retomadas nos aclives.

Uma dica é sempre observar o consumo instantâneo no computador de bordo. Ele dá uma boa noção da melhor velocidade para determinado trecho.

Para quem não tem essa facilidade, é bom ficar de olho no conta-giros. Rotações acima de 3 mil rpm costumam ser mais nocivas ao consumo.

Creditos: https://g1.globo.com/carros/blog/denis-marum/post/2018/05/29/como-economizar-combustivel-dicas-para-deixar-o-carro-menos-gastao-na-estrada.ghtml

Página 3 de 41